ter, mai 7th, 2013

O que é Teologia e sua importância para hoje

estudando a biblia perfeitamenteTodo mundo faz teologia

Teologia é uma palavra usada nos seminários e nos livros. Mas teologia é coisa que todo mundo faz. Quando, por exemplo, uma pessoa próxima sofre algum infortúnio, e um crente aproxima-se numa atitude de conforto e diz: “Não se deixe abater: Deus sabe o que faz!”, o que esse crente está fazendo é teologia. Quando Jó, diante de toda a desgraça que lhe caiu na cabeça, afirmou: “O Senhor deu, e o Senhor tirou” (Jó 1,21b), Jó fez teologia. Quando a mulher cananéia respondeu a Jesus, dizendo: “Sim, mas até os cachorrinhos comem das migalhas” (Mt 15,27b), também ela fez teologia

Teologia e Deus

O que é teologia? Será que é igual a biologia? Quer dizer, se biologia é o estudo da vida (bio = vida e logia = estudo), então teologia é o estudo de Deus (teo = Deus e logia = estudo)? Será?

Se você ama a Jesus Cristo, clique em 

Vamos pensar um pouco. A biologia estuda a vida dissecando organismos ou analisando pequenos pedaços de tecido orgânico no microscópio. O biólogo pega o ser vivo, leva-o para o laboratório, coloca-o sob determinadas condições e o examina. Assim aprende. Assim se faz biologia.

Será se dá para fazer isso com Deus? Colocá-lo numa mesa de laboratório e examiná-lo? Você consegue imaginar os teólogos sentados à mesa, com Deus ali esticado, um examinando o pé; outro, o olho; outro, o esôfago? Você acha que nos seminários estamos estudando Deus? E aqui, na classe, é Deus que estamos estudando?

Deixe-me contar uma história da Bíblia. Com certeza você já leu Ex 33,18-23. Leia novamente, mas com duas pequenas observações sobre o v. 19: 1) deve-se ler “Eu (é que) farei”; e 2) deve-se ler “e proclamarei o meu nome adiante de ti”. Moisés pede que Yahveh lhe mostre a sua glória (v. 18). Yahveh lhe responde que vai fazer passar a sua bondade diante dele; vai proclamar o seu nome adiante dele; e vai ter misericórdia de quem ele, o próprio Yahveh, quiser ter misericórdia (v.19). A rigor, Moisés não tinha falado nada sobre a misericórdia. Por que na sua resposta Yahveh tem de falar a Moisés: “e terei misericórdia de quem (eu) tiver misericórdia, e compaixão de quem eu tiver compaixão”? Moisés queria ver a glória de Yahveh, e Yahveh responde que terá misericórdia de quem Yahveh quiser ter misericórdia. Faz sentido? Se pensarmos no objetivo do texto como sendo apresentar Yahveh como Deus Incontrolável faz sentido. Quem escreveu Ex 33,18-23 queria deixar claro que a intenção de ver a glória de Deus traduz a intenção de controlar as ações de Deus. Talvez fossem dias em que se estava tentando separar aqueles que se entendia merecerem a misericórdia de Yahveh daqueles que se entendia não a merecerem. Como fazer isso? Controlando o discurso sobre Deus. Geralmente, quando julgamos saber quem Deus é, logo tratamos de julgar que a vida desse ou daquele irmão não agrada a Deus. Teologia como estudo de Deus e julgamento caminham muito próximos um do outro. Para o autor de Ex 33,18-23, porém, ninguém, nem Moisés, pode decidir afinal de quem Yahveh terá misericórdia – porque Yahveh é incontrolável e tem compaixão de quem quiser.

Voltando ao nosso tema: teologia é o estudo de Deus? Há teólogos que julgam que sim, e afirmam que a teologia é o estudo de Deus e das coisas de Deus. Isso significa, que o conteúdo da teologia – as doutrinas e os dogmas – são uma espécie de descrição de Deus e das coisas de Deus. Para esse tipo de teologia e de teólogo, Deus não só pode ser conhecido, mas descrito (ainda que parcialmente).

Mas voltemos ao texto de Ex 33,18-23. Moisés é colocado na fenda da rocha. Yahveh tapa a fenda com a sua mão e faz passar a sua glória. Moisés está lá dentro, sem poder ver nada (“até que (eu) passe”, v. 22). Yahveh termina de passar; retira a mão e, então, diz a Moisés que Moisés verá as costas de Yahveh, mas que “as minhas faces não serão vistas” (v. 23).

Yahveh diz a Moisés que, se quiser ver a sua glória, que veja as suas costas – o que deve ser compreendido como “se quiser ver a minha glória, siga-me” (cf. Ex 3,1-15). Yahveh vai à frente, proclamando o seu nome adiante, e Moisés vai atrás, seguindo, com os olhos fixos nas costas de Yahveh. Yahveh é Deus que se conhece nas experiência da vida. Yahveh não está disponível na teologia.

Compare essa história com a de Elias na caverna (1 Re 19,8-13). Elias está na caverna (v. 9); Yahveh passa enquanto Elias ainda está lá dentro (v. 11-13a); Yahveh chama Elias para fora: Elias cobre o rosto com a capa e sai (v. 11a.13a); Elias não vê Yahveh: apenas ouve uma voz (v. 13b). Yahveh não pode ser apreendido pelo homem. Elias cobre o rosto (cf. Jz 13,20-23; Is 6,5). Moisés tem que ser colocado na fenda da rocha e Yahveh tem que tapar o buraco, porque ele queria ver a sua glória. Como a teologia deve se comportar: como o Moisés de Ex 33,18 ou como o Elias de 1 Re 19,8-13?

Teologia e vida

O texto de Ex 33,18-23 poderia nos ajudar a pensar uma teologia que não se comporta como um estudo de Deus. 1 Re 19,8-13 poderia nos ajudar a pensar que a presença de Deus ultrapassa nossa capacidade de apreensão, compreensão e manipulação. Sim, ouvimos “uma voz”, mas com o rosto coberto.

Mas se teologia então não deve ser tratada como estudo sobre Deus, como deve ser tratada? Ora, como um falar sobre Deus, sobre a vida, e sobre o que cremos que Deus faz na vida. Não foram esses os exemplos com que começamos esse estudo: o crente, Jó e a mulher cananéia falaram. A sua fala que era? Nos três casos, interpretação dos fatos da vida a partir de suas convicções pessoais a respeito de Deus. Teologia então, não seria compreendida como estudo sobre Deus, mas como estudo sobre o que os homens pensam sobre Deus. Teologia tem a ver com a compreensão que os homens têm sobre Deus e não com o próprio Deus. Teologia é pura vida e história pessoal pulsando no coração. É o concurso de tudo quanto somos e fazemos, tudo isso concentrado em nosso discurso sobre Deus. E então se diga: boa vida e bom coração, boa teologia; vida má e mau coração, má teologia.

Teologia é importante. Tanto que todos nós fazemos teologia, uns sem saber que fazem, outros sabendo. A teologia, no entanto, pode servir para uma adaptação (o caso de Jó) ou para uma confrontação (o caso da mulher cananéia). A teologia pode servir para conformar-nos com modelos prontos, mas também pode e deve servir para transformar-nos. Sim, sim: teologia pode e deve ser transformadora. Quando Paulo em Rm 12,2 diz: “não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente”, Paulo está a dizer: façam teologia transformadora! A transformação começa na “vossa mente”. Teologia começa na nossa mente. Teologia e transformação começam no mesmo lugar.

por: Osvaldo Luiz Ribeiro

curso teologico aqui A importância de um Seminário Teológico
Clique no banner acima para fazer o seu curso, ou faça uma aula Demonstrativa totalmente grátis

Portal Padom

Gostou deste post? Então: Compartilhe no Facebook Siga-nos no:  Facebook - Twitter - G+

COMENTE AQUI!

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estes html tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>